Nesta seção de depoimentos de líderes empresariais sobre a crise na saúde, Jean-Louis Bouchard, Presidente da Econocom, escreve este texto para compartilhar com a geração mais jovem sua experiência em crises e suas esperanças para a era pós-Covid.

Desde que criei a Econocom em 1973, enfrentei duas grandes crises, como a quebra da bolsa de valores em outubro de 1987 ou a decisão da IBM de reduzir suas taxas em 80% em grande parte de sua oferta que correspondia aos nossos contratos de aluguel e estoques, ou a crise do “subprime” e a falência do Lehman Brothers, que deram lugar a uma crise financeira global seguida por uma crise econômica que durou até 2012. Por várias razões, todas as crises poderiam ter sido fatais para a empresa que eu administro.

Em cada ocasião, graças ao espírito de luta de todos, ao DNA guerreiro da Econocom à transparência e sinceridade de nossa comunicação, tanto interna quanto externa, o grupo não apenas foi fortalecido, mas iniciou um longo período de crescimento por tudo que aprendemos da maneira mais difícil.

O que me impressiona na crise que estamos enfrentando hoje é que, pela primeira vez em minha longa carreira, o setor de TI, que se tornou “digital”, o núcleo dos negócios da Econocom, é visto de uma maneira extremamente positiva. O setor de TI está provando ser um participante importante em nossa capacidade de vencer esta batalha juntos. Ele permitiu que um país continuasse a trabalhar e educar remotamente da noite para o dia. Além disso, garantiu a continuidade essencial do funcionamento dos centros nervosos de uma nação, como hospitais, centros de pesquisa, usinas nucleares e as funções essenciais do Estado. Pilotado e controlado por nós, nosso setor se torna uma "mão de Aristóteles", um instrumento de nossos instrumentos de defesa.

No momento em que muitos líderes empresariais questionam o propósito do “digital”, tenho o prazer de trabalhar junto com nossos clientes para inventar soluções digitais eficazes que os ajudarão a fortalecer sua posição em um mundo que está passando por mudanças rápidas.

Uma das minhas maiores satisfações profissionais foi quando recentemente li os agradecimentos calorosos e entusiasmados de homens e mulheres das empresas Engie, Allianz, France Télévisions, BPCE, Danone, SNCF, Sorbonne e Conseil Départemental des Bouches-du-Rhône, para citar alguns exemplos.

Que orgulho ver a coragem e o sacrifício espontâneos desses milhares de funcionários que desenvolveram aplicativos durante noites e fins de semana para monitorar pacientes em casa, que implantaram urgentemente sistemas robustos de teletrabalho em larga escala, que forneceram e instalaram equipamentos da noite para o dia a fim de proteger infraestrutura e redes. Durante muito tempo, evitei falar sobre minha atividade em jantares sociais, sabendo muito bem que as pessoas poderiam não prestar atenção. Hoje, eu não hesitaria um minuto em falar com orgulho sobre a nossa bela profissão!

Retomaremos o curso de uma vida normal. O confinamento, embora essencial, chegará ao seu limite. Os idosos, dos quais eu faço parte, poderão contrair o vírus e serão hospitalizados com mais possibilidades de recuperação graças às medidas que evitaram a saturação das unidades de terapias intensivas e à notável dedicação de todo o sistema hospitalar.

O desejo de viver, empreender, trabalhar, prestar serviço, ser útil e ter uma vida social provavelmente será mais forte “do que antes”.

Aprendemos mais diante do perigo. O que teremos aprendido? Que nosso modelo de consumo excessivo está indo na direção errada? Que nossos esquemas de produção às vezes são labirintos e que seus próprios criadores caem na armadilha? Que, diante do perigo, autoridade, disciplina e, acima de tudo, solidariedade se tornam valores inevitáveis?

Mil e muitas outras perguntas estarão sobre a mesa. Sejamos humildes e de boa fé quando chegar a hora do diagnóstico. Sejamos abertos, criativos e visionários nas respostas que cada um de nós trará para reconstruir em conjunto a arquitetura de um mundo que será o melhor para nós. E quando chegar a hora da ação política, ambiental, social e econômica, sejamos ousados mais uma vez, nos tornando construtores de catedrais!

Tradução do artigo publicado em La Tribune https://www.latribune.fr/opinions/tribunes/rebatissons-nos-cathedrales-846766.html