O que esperar do monitoramento de aplicações?

A cada ano que passa as coisas evoluem e transmutam com mais rapidez. O que esperar, então, em termos de tendências para APM? O que já dá para tatear e preparar de acordo com o rumo que o gerenciamento de desempenho de aplicações está tomando? Reunimos algumas neste artigo.

 

1| Inteligência Artificial

Fizemos um artigo sobre Inteligência Artificial no Service Desk e os apontamentos dele também serve para balizarmos expectativas sobre APM. Fato é que esse é um tópico fortemente discutido em TI e que já é realidade para algumas empresas.

A Inteligência Artificial pode ser utilizada em soluções APM porque auxilia no processo de criar e gerenciar aplicações totalmente voltadas para a experiência do usuário. Também auxilia na automação de algumas melhorias, o que economiza tempo de diagnóstico e de desenvolvimento, investimento financeiro e testes - já que evolui com base nos aprendizados trazidos pelos próprios usuários.

Se hoje o monitoramento já é bastante tecnológico e traz insights de extremo valor estratégico pro negócio, imagine ter IA para correlacionar dados! Será possível fazê-lo entre itens coletados dentro da solução de APM e também unindo-a a outras ferramentas de BI, de gestão de serviços, etc.

 

2 | Gestão Unificada

Hoje é comum empresas terem múltiplas ferramentas para monitorar diversos itens, sendo cada uma focada em uma visão ou especialidade. Imagine o ganho de tempo e de ação se uma única ferramenta pudesse monitorar tudo e se o time, então, tivesse visão total dos acontecimentos e das aplicações?

Esse é o conceito de Gestão Unificada e também do que chamamos de “a single pane of glass”. No lugar de monitorar eventos separadamente, a tendência para APM é unificar essa gestão para garantir visibilidade e agilidade na tomada de providências. Ter uma única fonte de informações sobre a aplicação dá autonomia para quem monitora, clareza sobre cada linha de código e facilidade na hora de encontrar e corrigir erros.

Todos os seus dados monitorados e resumidos em um dashboard claro e eficaz. Ótimo, não?

 

3 | APM para Missão Crítica

Um dos papéis fundamentais apontados como tendência para APM é referente a ambientes virtuais propensos a ataques cibernéticos e riscos atrelados a isso. Isso significa que tais aplicações serão ainda mais importantes para decisões estratégicas e comerciais das empresas.

Se pensarmos que todas as empresas - independente do segmento - dependem de softwares e de aplicações para vender e se posicionar no mercado, soluções de APM se tornam cada vez mais críticas. Elas apoiam 24h por dia no processo de identificar e eliminar bugs. Evitam, por exemplo, que um e-commerce fique fora do ar e cause prejuízo à loja. Para o usuário pode ser questão de minutos ou horas. Para a empresa é sabido que o dano pode ser gigante.

 

4| BSM – Gerenciamento de serviços de negócio

BSM (Business Service Management) já era uma tendência mas se renova ainda com mais vigor por conta da possibilidade de fornecer informações em tempo real. Entender como seu negócio está sendo impactado pelas aplicações e onde é possível melhorar a experiência do usuário é e será crucial para os serviços de TI e também para o funcionamento das empresas.

A ideia de BSM é integrar equipes com olhares e competências diferentes e complementares. Assim, ao invés de ter alguém de TI monitorando uma parte do negócio e alguém de Negócios monitorando outra parte, temos essas duas pessoas trabalhando juntas (e com ainda mais outras). Esse é um dos principais features do AppDynamics e é um dos que mais tem feito a diferença na performance de nossos clientes!

 

5| Transformação da Gestão de Incidentes para Integração Contínua

O processo de transição na dinâmica das war-rooms se mantém e ruma para uma visão mais integrada. Ao invés de focar ponto a ponto gerenciando incidentes, ter visão para a big picture e para como cada elemento faz parte do todo será crucial. É uma mudança que injeta inteligência no processo para agilizá-lo e tornar as soluções mais sólidas.

Muito ligada às ferramentas e soluções, a transformação diz totalmente respeito à estrutura das equipes para lidar com o dia a dia. Ao invés de um processo burocrático e demorado que torna a identificação muito longe da solução do problema, a integração contínua propõe um modelo de gestão mais ágil e flexível também com a colaboração DevOps.